quarta-feira, 30 de abril de 2014

Desolation Row

As músicas da minha vida (17)

Bob Dylan [1941 - ]
"Desolation Row"
Álbum: Highway 61 Revisited
1965

"Desolation Row" é uma canção de 1965 escrita e cantada por Bob Dylan, lançada no álbum Highway 61 Revisited. Esta música é conhecida pela sua longa duração, com uma letra um pouco surreal, onde Bob Dylan mistura história, ficção, a Bíblia, uma actriz e escritores numa mixórdia musical onde o caos impera.
Existe uma cover que os My Chemical Romance fizeram para o filme Watchmen (2009).

 

Desolation Row

They're selling postcards of the hanging
They're painting the passports brown
The beauty parlor is filled with sailors
The circus is in town
Here comes the blind commissioner
They've got him in a trance
One hand is tied to the tight-rope walker
The other is in his pants
And the riot squad they're restless
They need somewhere to go
As Lady and I look out tonight
From Desolation Row.

Cinderella, she seems so easy
"It takes one to know one," she smiles
And puts her hands in her back pockets
Bette Davis style
And in comes Romeo, he's moaning
"You belong to Me I Believe"
And someone says, "You're in the wrong place, my friend
You better leave"
And the only sound that's left
After the ambulances go
Is Cinderella sweeping up
On Desolation Row.

Now the moon is almost hidden
The stars are beginning to hide
The fortunetelling lady
Has even taken all her things inside
All except for Cain and Abel
And the hunchback of Notre Dame
Everybody is making love
Or else expecting rain
And the Good Samaritan, he's dressing
He's getting ready for the show
He's going to the carnival tonight
On Desolation Row.
Now Ophelia, she's 'neath the window
For her I feel so afraid
On her twenty-second birthday
She already is an old maid
To her, death is quite romantic
She wears an iron vest
Her profession's her religion
Her sin is her lifelessness
And though her eyes are fixed upon
Noah's great rainbow
She spends her time peeking
Into Desolation Row.

Einstein, disguised as Robin Hood
With his memories in a trunk
Passed this way an hour ago
With his friend, a jealous monk
He looked so immaculately frightful
As he bummed a cigarette
Then he went off sniffing drainpipes
And reciting the alphabet
You would not think to look at him
But he was famous long ago
For playing the electric violin
On Desolation Row.

Dr. Filth, he keeps his world
Inside of a leather cup
But all his sexless patients
They're trying to blow it up
Now his nurse, some local loser
She's in charge of the cyanide hole
And she also keeps the cards that read
"Have Mercy on His Soul"
They all play on penny whistles
You can hear them blow
If you lean your head out far enough
From Desolation Row.
Across the street they've nailed the curtains
They're getting ready for the feast
The Phantom of the Opera
In a perfect image of a priest
They're spoonfeeding Casanova
To get him to feel more assured
Then they'll kill him with self-confidence
After poisoning him with words
And the Phantom's shouting to skinny girls
"Get outa here if you don't know"
Casanova is just being punished for going
To Desolation Row.

At midnight all the agents
And the superhuman crew
Come out and round up everyone
That knows more than they do
Then they bring them to the factory
Where the heart-attack machine
Is strapped across their shoulders
And then the kerosene
Is brought down from the castles
By insurance men who go
Check to see that nobody is escaping
To Desolation Row.

They be to Nero's Neptune
The Titanic sails at dawn
Everybody's shouting
"Which side are you on ?"
And Ezra Pound and T. S. Eliot
Fighting in the captain's tower
While calypso singers laugh at them
And fishermen hold flowers
Between the windows of the sea
Where lovely mermaids flow
And nobody has to think too much
About Desolation Row.
Yes, I received your letter yesterday
About the time the door knob broke
When you asked me how I was doing
Was that some kind of joke ?
All these people that you mention
Yes, I know them, they're quite lame
I had to rearrange their faces
And give them all another name
Right now I can't read too good
Don't send me no more letters no
Not unless you mail them
From Desolation Row.

Lois McMaster Bujold

Autoras

A conhecida autora de ficção científica e fantasia nasceu a 2 de Novembro de 1949. Filha de Robert Charles McMaster, editor de Nondestructive Testing Handbook, Bujold atribui grande parte das suas influências em ficção científica ao pai. Actualmente, vive no Minnesota, é divorciada e tem dois filhos.

Bujold destacou-se na ficção científica pela série Vorkosigan, que conta as aventuras espaciais de Miles Vorkosigan. A saga é uma space opera com vários volumes e que também conta outras histórias da família Vorkosigan. Entre os livros mais conhecidos da saga estão The Warrior's Apprentice (1986), que apesar de não ser o primeiro livro escrito da série, foi o primeiro a ser publicado; The Vor Game (1991); Barrayar (1992); Mirror Dance (1995); A Civil Campaign (2000); e Cryoburn (2010).

Bujold também quis escrever fantasia, no entanto a sua primeira tentativa não correu muito bem, pois The Spring Ring (1993) vendeu pouco e não foi aclamando pela crítica. Foi quase uma década depois da sua primeira tentativa, que conseguiu publicar The Curse of Chalion, que concebeu depois de ter tido uma cadeira sobre a Espanha Medieval na Universidade do Minnesota. Este mundo de fantasia épica é composto por três livros: The Curse of Chalion (2001), Paladin of Souls (2003) e The Hallowed Hunt (2005). Ainda na fantasia criou o universo The Sahring Knife, composto por Beguilement (2006), Legacy (2007), Passage (2008) e Horizon (2009).

Entre as muitas nomeações, venceu quatro Hugo Awards por: The Vor Game (1991), Barrayar (1992), Mirror Dance (1995) e Paladin of Souls (2004) na categoria de Melhor Romance; e mais um por "The Mountains of Mourning" (1990) na categoria de Melhor Novella. Venceu três Nebula Awards por Falling Free (1989), "The Mountains of Mourning" (1990) e Paladin of Souls (2005) e três Locus Awards por Barrayar (1992), Mirror Dance (1995) e Paladin of Souls (2004).

Tanto na fantasia como na ficção científica, Bujold já deu provas de grande talento, tendo um conjunto notável de nomeações nos prémios Hugo, Nebula e Locus. Para além disso, entre as muitas nomeações, venceu quatro vezes o Hugo Award, igualando um feito conseguido apenas por Robert E. Heinlein, um dos grandes autores da FC, que é considerado um dos melhores autores do género.

Vorkosigan
“Aftermaths”, 1986
Shards of Honor, 1986
The Warrior’s Apprentice, 1986
Ethan of Athos, 1986
Falling Free, 1988
Brothers in Arms, 1989
“The Mountains of Mourning”, 1989 (novella)
“Labyrinth”, 1989 (novella)
“Borders of Infinity”, 1989 (novella)
“Weatherman”, 1989 (novella)
The Vor Game, 1990
Barrayar, 1991
Mirror Dance, 1994
Cetaganda, 1995
"Dreamweaver’s Dilemma", 1995 (novella)
Memory, 1996
Komarr, 1998
A Civil Campaign, 1999
Diplomatic Immunity, 2002
“Winterfair Gifts”, 2004
Cryoburn, 2010
Captain Vorpatril’s Aliance, 2012

Outros
The Spirit Ring, 1992
Women at War, 1995

Chalion
The Curse of Chalion, 2001
Paladin of Souls, 2003
The Hallowed Hunt, 2005

Sharing Knife
Beguilement, 2006
Legacy, 2007
Passage, 2008
Horizon, 2009

Feira do Livro de Lisboa

A 84.ª Edição da Feira do Livro de Lisboa, organizada pela APEL já tem data programada. Será de 29 de Maio a 15 de Junho no Parque Eduardo VII como tem sido tradição nos últimos anos.


terça-feira, 29 de abril de 2014

Hugo Awards

Nomeações 2014

Os nomeados para os Hugo Awards foram anunciados a 19 de Abril. Os Hugo Awards existem desde 1953 e todos os anos desde 1955 e são dados na World Science Fiction Covention (a Worldcon), que este ano será em Londres (LondCon 3) de 14 a 18 de Agosto. A Worldcon deste ano assinala os 75 anos desde a primeira convenção que teve lugar em 1939, por isso vão apresentar os Retrospective Hugo Awards para os melhores trabalhos de 1938.


Mais informações: The Hugo Awards
Abaixo, ficam os nomeados.

BEST NOVEL
Ancillary Justice, Ann Leckie (Orbit)
Neptune’s Brood, Charles Stross (Ace / Orbit)
Parasite, Mira Grant (Orbit)
Warbound, Book III of the Grimnoir Chronicles, Larry Correia (Baen Books)
The Wheel of Time by Robert Jordan and Brandon Sanderson (Tor Books)

BEST NOVELLA
The Butcher of Khardov, Dan Wells (Privateer Press)
“The Chaplain’s Legacy”, Brad Torgersen (Analog)
“Equoid”, Charles Stross (Tor.com)
Six-Gun Snow White, Catherynne M. Valente (Subterranean Press)
“Wakulla Springs”, Andy Duncan and Ellen Klages (Tor.com)

BEST NOVELETTE
“Opera Vita Aeterna”, Vox Day (The Last Witchking, Marcher Lord Hinterlands)
“The Exchange Officers”, Brad Torgersen (Analog)
“The Lady Astronaut of Mars”,  Mary Robinette Kowal (Tor.com)
“The Truth of Fact, the Truth of Feeling”,  Ted Chiang (Subterranean Press Magazine)
“The Waiting Stars” ,  Aliette de Bodard (The Other Half of the Sky, Candlemark & Gleam)

BEST SHORT STORY
“If You Were a Dinosaur, My Love” by Rachel Swirsky (Apex Magazine)
“The Ink Readers of Doi Saket” by Thomas Olde Heuvelt (Tor.com)
“Selkie Stories Are for Losers” by Sofia Samatar (Strange Horizons)
“The Water That Falls on You from Nowhere” by John Chu (Tor.com)

BEST RELATED WORK 
Queers Dig Time Lords: A Celebration of Doctor Who, the LGBTQ Fans Who Love It Edited by Sigrid Ellis & Michael Damien Thomas (Mad Norwegian Press)
Speculative Fiction 2012: The Best Online Reviews, Essays and Commentary, Justin Landon & Jared Shurin (Jurassic London)
We Have Always Fought: Challenging the Women, Cattle and Slaves Narrative, Kameron Hurley (A Dribble of Ink)
Wonderbook: The Illustrated Guide to Creating Imaginative Fiction, Jeff VanderMeer, with Jeremy Zerfoss (Abrams Image)
Writing Excuses Season 8,  Brandon Sanderson, Dan Wells, Mary Robinette Kowal, Howard Tayler, Jordan Sanderson

BEST GRAPHIC STORY
Girl Genius Vol 13: Agatha Heterodyne & The Sleeping City, Escrito por Phil and Kaja Foglio; Arte de Phil Foglio; Coloração de Cheyenne Wright (Airship Entertainment)
“The Girl Who Loved Doctor Who”, Escrito por Paul Cornell, Ilustração de Jimmy Broxton (Doctor Who Special 2013, IDW)
The Meathouse Man, Adaptado de uma história de George R.R. Martin e Ilustração de Raya Golden (Jet City Comics)
Saga Vol 2, Escrito por Brian K. Vaughn, Ilustração de Fiona Staples (Image Comics )
Time, Randall Munroe (XKCD)

BEST DRAMATIC PRESENTATION (LONG FORM)
Frozen, Argumento de Jennifer Lee; Realizado por Chris Buck & Jennifer Lee (Walt Disney Studios)
Gravity, Escrito por Alfonso Cuarón & Jonás Cuarón; Realizado por Alfonso Cuarón (Esperanto Filmoj; Heyday Films; Warner Bros.)
The Hunger Games: Catching Fire, Argumento de Simon Beaufoy & Michael Arndt; Realizado por Francis Lawrence (Color Force; Lionsgate)
Iron Man 3, Argumento de Drew Pearce & Shane Black; Realizado por Shane Black (Marvel Studios; DMG Entertainment; Paramount Pictures)
Pacific Rim, Argumento de Travis Beacham & Guillermo del Toro; Realizado por Guillermo del Toro (Legendary Pictures, Warner Bros., Disney Double Dare You)

BEST DRAMATIC PRESENTATION (SHORT FORM)
An Adventure in Space and Time, Escrito por Mark Gatiss; Realizado por Terry McDonough (BBC Television)
Doctor Who: “The Day of the Doctor”, Escrito por Steven Moffat, Realizado por Nick Hurran (BBC)
Doctor Who: “The Name of the Doctor”, Escrito por Steven Moffat, Realizado por Saul Metzstein (BBC)
The Five(ish) Doctors Reboot, Escrito e Realizado por Peter Davison (BBC Television)
Game of Thrones: “The Rains of Castamere”, Escritopor David Benioff & D.B. Weiss; Realizado por David Nutter (HBO Entertainment)
Orphan Black: “Variations under Domestication”, Escrito por Will Pascoe; Realizado por John Fawcett (Temple Street Productions; Space/BBC America)

BEST EDITOR - SHORT FORM
John Joseph Adams
Neil Clarke
Ellen Datlow
Jonathan Strahan
Sheila Williams

BEST EDITOR - LONG FORM
Ginjer Buchanan
Sheila Gilbert
Liz Gorinsky
Lee Harris
Toni Weisskopf

BEST PROFESSIONAL ARTIST
Galen Dara
Julie Dillon
Daniel Dos Santos
John Harris
John Picacio
Fiona Staples

BEST SEMIPROZINE
Apex Magazine, edição de Lynne M. Thomas, Jason Sizemore e Michael Damian Thomas
Beneath Ceaseless Skies, edição de Scott H. Andrews
Interzone, edição de Andy Cox
Lightspeed Magazine, edição de John Joseph Adams, Rich Horton e Stefan Rudnicki
Strange Horizons, edição de Niall Harrison, Brit Mandelo, An Owomoyela, Julia Rios, Sonya Taaffe, Abigail Nussbaum, Rebecca Cross, Anaea Lay e Shane Gavin

BEST FANZINE
The Book Smugglers, edição de Ana Grilo e Thea James
A Dribble of Ink, edição de Aidan Moher
Elitist Book Reviews, edição de Steven Diamond
Journey Planet, edição de James Bacon, Christopher J Garcia, Lynda E. Rucker, Pete Young, Colin Harris e Helen J. Montgomery
Pornokitsch, edição de Anne C. Perry e Jared Shurin

BEST FANCAST (396 ballots)
The Coode Street Podcast, Jonathan Strahan e Gary K. Wolfe
Doctor Who: Verity! Deborah Stanish, Erika Ensign, Katrina Griffiths, L.M. Myles, Lynne M. Thomas e Tansy Rayner Roberts
Galactic Suburbia Podcast, Alisa Krasnostein, Alexandra Pierce, Tansy Rayner Roberts (Presenters) e Andrew Finch (Producer)
SF Signal Podcast, Patrick Hester
The Skiffy and Fanty Show, Shaun Duke, Jen Zink, Julia Rios, Paul Weimer, David Annandale, Mike Underwood e Stina Leicht
Tea and Jeopardy, Emma Newman
The Writer and the Critic, Kirstyn McDermott e Ian Mond

BEST FAN WRITER
Liz Bourke
Kameron Hurley
Foz Meadows
Abigail Nussbaum
Mark Oshiro

BEST FAN ARTIST 
Brad W. Foster
Mandie Manzano
Spring Schoenhuth
Steve Stiles
Sarah Webb

JOHN W. CAMPBELL AWARD FOR BEST NEW WRITER
Award for the best new professional science fiction or fantasy writer of 2012 or 2013, sponsored by Dell Magazines (not a Hugo Award).
Wesley Chu
Max Gladstone
Ramez Naam
Sofia Samatar
Benjanun Sriduangkaew

1939 RETRO-HUGO AWARD

BEST NOVEL 
Carson of Venus, Edgar Rice Burroughs (Argosy)
Galactic Patrol, E. E. Smith (Astounding Stories)
The Legion of Time, Jack Williamson (Astounding Science-Fiction)
Out of the Silent Planet, C. S. Lewis (The Bodley Head)
The Sword in the Stone, T. H. White (Collins)

BEST NOVELLA
Anthem, Ayn Rand (Cassell)
“A Matter of Form”, H. L. Gold (Astounding Science-Fiction)
“Sleepers of Mars”, John Wyndham (Tales of Wonder)
“The Time Trap”, Henry Kuttner (Marvel Science Stories)
“Who Goes There?”, John W. Campbell/Don A. Stuart (Astounding Science-Fiction)

BEST NOVELETTE
“Dead Knowledge”, John W. Campbell/Don A. Stuart (Astounding Stories)
“Hollywood on the Moon”, Henry Kuttner (Thrilling Wonder Stories)
“Pigeons From Hell”, Robert E. Howard (Weird Tales)
“Rule 18”, Clifford D. Simak (Astounding Science-Fiction)
“Werewoman”, C. L. Moore (Leaves #2)

BEST SHORT STORY 
“The Faithful”, Lester Del Rey (Astounding Science-Fiction)
“Helen O’Loy”, Lester Del Rey (Astounding Science-Fiction)
“Hollerbochen’s Dilemma”, Ray Bradbury (Imagination!)
“How We Went to Mars”, Arthur C. Clarke (Amateur Science Stories)
“Hyperpilosity”, L. Sprague de Camp (Astounding Science-Fiction)

BEST DRAMATIC PRESENTATION (SHORT FORM) 
Around the World in 80 Days, Jules Verne. Escrito e Realizado por Orson Welles
A Christmas Carol, Charles Dickens. Escrito e Realizado por Orson Welles
Dracula, Bram Stoker. Escrito por Orson Welles and John Houseman; Realizado por Orson Welles
R. U. R., Karel Capek. Produzido por Jan Bussell
The War of the Worlds, H. G. Wells. Escrito por Howard Koch & Anne Froelick; Realizado por Orson Welles

BEST EDITOR - SHORT FORM
John W. Campbell
Walter H. Gillings
Ray Palmer
Mort Weisinger
Farnsworth Wright

BEST PROFESSIONAL ARTIST
Margaret Brundage
Virgil Finlay
Frank R. Paul
Alex Schomburg
H. W. Wesso

BEST FANZINE
Fantascience Digest, edição de Robert A. Madle
Fantasy News,edição de James V. Taurasi
Imagination!, edição de Forrest J Ackerman
Novae Terrae, edição de Maurice Hanson
Tomorrow, edição de Doug Mayer

BEST FAN WRITER
Forrest J Ackerman
Ray Bradbury
Arthur Wilson “Bob” Tucker
Harry Warner Jr.
Donald A. Wollheim

Sin City: A Dame To Kill For

Cinema Fantástico
Novo trailer de Sin City: A Dame To Kill For. Para além disso é possível ver alguns pósteres promocionais novos. O filme estreia a 28 de Agosto em Portugal. Abaixo, ficam os pósteres e o novo trailer. Enjoy!







segunda-feira, 28 de abril de 2014

IndieLisboa

Já está a decorrer o IndieLisboa 2014, o 11º Festival Internacional de Cinema Independente, de 24 de Abril até 4 de Maio.

A programação caracteriza-se pela apresentação de longas e curtas metragens, obras de ficção, filmes de animação, experimentais e documentários. Tem como objectivo principal a promoção e divulgação de obras e autores nacionais e estrangeiros ao Público em geral e aos profissionais do sector.

A par da programação de cinema, o IndieLisboa organiza actividades paralelas, acções, eventos, palestras, conversas, entre outros, de forma a garantir a adesão e o envolvimento dos diversos públicos do Festival com o cinema.

Mais informações: Indie Lisboa 2014

domingo, 27 de abril de 2014

Let it Go - Game of Thrones e Frozen Mashup

Alguém se lembrou de adaptar a música "Let It Go" de Frozen à série Game of Thrones. O resultado até está engraçado.

Lingerie

O Prazer da Leitura (22)

It was hard for a man and a woman to be fiends with no under thought or glimpsed prospect of sex. They wanted to be friends. It was almost a matter of principle. She was as intelligent as any Fellow of King's - though he thought she did not know it - he was in love with her mind as it followed clues through labyrinths. Love is, among many other things, a response to energy, and Griselda's mind was precise and energetic. He wanted to make love to her too.”

The Children's Book, A. S. Byatt

sábado, 26 de abril de 2014

Roupa e Mala


O Prazer da Leitura (21)

She didn't like to be talked about. Equally, she didn't like not to be talked about, when the high-minded chatter rushed on as though she was not there. There was no pleasing her, in fact. She had the grace, even at eleven, to know there was no pleasing her. She thought a lot, analytically, about other people's feelings, and had only just begun to realize that this was not usual, and not reciprocated.” 

The Children's Book, A. S. Byatt

Sobre o 25 de Abril

É importante dar importância à história

Ontem celebrou-se o 25 de Abril, o Dia da Liberdade, a Revolução dos Cravos. São quarenta anos de liberdade que trouxeram ao nosso país muitas coisas boas. Por um lado, uma vez que nasci nos anos 80, não tenho muita noção de como eram as coisas antes do 25 de Abril. E uma das coisas que mais lamento é o facto de ainda ser um pouco tabu falar da Ditadura em Portugal e de a Revolução não ser estudada e dissecada nas escolas. Por outro lado, exactamente por ter nascido nos anos 80, tive a oportunidade, a possibilidade de estudar, coisa que mais de metade das gerações anteriores nunca tiveram. Só por isso, dou muita importância a este feriado. Obrigada pela Revolução dos Cravos.

Tinha escrito mais uma quantas coisas sobre este assunto, mas quando cheguei a casa vi o post de uma amiga e achei que seria mais adequado para publicar aqui. Fica aqui o poema que resume o 25 de Abril e tudo o que representou e continua a representar para os portugueses, para os que souberam o que foi a ditadura e para os ignorantes que tiveram a sorte de nascer num país em liberdade.

AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU

Era uma vez um país
onde entre o mar e a guerra
vivia o mais infeliz
dos povos à beira-terra.

Onde entre vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo se debruçava
como um vime de tristeza
sobre um rio onde mirava
a sua própria pobreza.

Era uma vez um país
onde o pão era contado
onde quem tinha a raiz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeiro
quem nascia desgraçado.

Era uma vez um país
de tal maneira explorado
pelos consórcios fabris
pelo mando acumulado
pelas ideias nazis
pelo dinheiro estragado
pelo dobrar da cerviz
pelo trabalho amarrado
que até hoje já se diz
que nos tempos do passado
se chamava esse país
Portugal suicidado.

Ali nas vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
vivia um povo tão pobre
que partia para a guerra
para encher quem estava podre
de comer a sua terra.

Um povo que era levado
para Angola nos porões
um povo que era tratado
como a arma dos patrões
um povo que era obrigado
a matar por suas mãos
sem saber que um bom soldado
nunca fere os seus irmãos.

Ora passou-se porém
que dentro de um povo escravo
alguém que lhe queria bem
um dia plantou um cravo.

Era a semente da esperança
feita de força e vontade
era ainda uma criança
mas já era a liberdade.

Era já uma promessa
era a força da razão
do coração à cabeça
da cabeça ao coração.
Quem o fez era soldado
homem novo capitão
mas também tinha a seu lado
muitos homens na prisão.

Esses que tinham lutado
a defender um irmão
esses que tinham passado
o horror da solidão
esses que tinham jurado
sobre uma côdea de pão
ver o povo libertado
do terror da opressão.

Não tinham armas é certo
mas tinham toda a razão
quando um homem morre perto
tem de haver distanciação

uma pistola guardada
nas dobras da sua opção
uma bala disparada
contra a sua própria mão
e uma força perseguida
que na escolha do mais forte
faz com que a força da vida
seja maior do que a morte.

Quem o fez era soldado
homem novo capitão
mas também tinha a seu lado
muitos homens na prisão.

Posta a semente do cravo
começou a floração
do capitão ao soldado
do soldado ao capitão.

Foi então que o povo armado
percebeu qual a razão
porque o povo despojado
lhe punha as armas na mão.

Pois também ele humilhado
em sua própria grandeza
era soldado forçado
contra a pátria portuguesa.

Era preso e exilado
e no seu próprio país
muitas vezes estrangulado
pelos generais senis.

Capitão que não comanda
não pode ficar calado
é o povo que lhe manda
ser capitão revoltado
é o povo que lhe diz
que não ceda e não hesite
– pode nascer um país
do ventre duma chaimite.

Porque a força bem empregue
contra a posição contrária
nunca oprime nem persegue
– é força revolucionária!

Foi então que Abril abriu
as portas da claridade
e a nossa gente invadiu
a sua própria cidade.

Disse a primeira palavra
na madrugada serena
um poeta que cantava
o povo é quem mais ordena.

E então por vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
desceram homens sem medo
marujos soldados «páras»
que não queriam o degredo
dum povo que se separa.
E chegaram à cidade
onde os monstros se acoitavam
era a hora da verdade
para as hienas que mandavam
a hora da claridade
para os sóis que despontavam
e a hora da vontade
para os homens que lutavam.

Em idas vindas esperas
encontros esquinas e praças
não se pouparam as feras
arrancaram-se as mordaças
e o povo saiu à rua
com sete pedras na mão
e uma pedra de lua
no lugar do coração.

Dizia soldado amigo
meu camarada e irmão
este povo está contigo
nascemos do mesmo chão
trazemos a mesma chama
temos a mesma ração
dormimos na mesma cama
comendo do mesmo pão.
Camarada e meu amigo
soldadinho ou capitão
este povo está contigo
a malta dá-te razão.

Foi esta força sem tiros
de antes quebrar que torcer
esta ausência de suspiros
esta fúria de viver
este mar de vozes livres
sempre a crescer a crescer
que das espingardas fez livros
para aprendermos a ler
que dos canhões fez enxadas
para lavrarmos a terra
e das balas disparadas
apenas o fim da guerra.

Foi esta força viril
de antes quebrar que torcer
que em vinte e cinco de Abril
fez Portugal renascer.

E em Lisboa capital
dos novos mestres de Aviz
o povo de Portugal
deu o poder a quem quis.

Mesmo que tenha passado
às vezes por mãos estranhas
o poder que ali foi dado
saiu das nossas entranhas.
Saiu das vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
onde um povo se curvava
como um vime de tristeza
sobre um rio onde mirava
a sua própria pobreza.

E se esse poder um dia
o quiser roubar alguém
não fica na burguesia
volta à barriga da mãe.
Volta à barriga da terra
que em boa hora o pariu
agora ninguém mais cerra
as portas que Abril abriu.

Essas portas que em Caxias
se escancararam de vez
essas janelas vazias
que se encheram outra vez
e essas celas tão frias
tão cheias de sordidez
que espreitavam como espias
todo o povo português.

Agora que já floriu
a esperança na nossa terra
as portas que Abril abriu
nunca mais ninguém as cerra.

Contra tudo o que era velho
levantado como um punho
em Maio surgiu vermelho
o cravo do mês de Junho.

Quando o povo desfilou
nas ruas em procissão
de novo se processou
a própria revolução.

Mas eram olhos as balas
abraços punhais e lanças
enamoradas as alas
dos soldados e crianças.

E o grito que foi ouvido
tantas vezes repetido
dizia que o povo unido
jamais seria vencido.

Contra tudo o que era velho
levantado como um punho
em Maio surgiu vermelho
o cravo do mês de Junho.

E então operários mineiros
pescadores e ganhões
marçanos e carpinteiros
empregados dos balcões
mulheres a dias pedreiros
reformados sem pensões
dactilógrafos carteiros
e outras muitas profissões
souberam que o seu dinheiro
era presa dos patrões.

A seu lado também estavam
jornalistas que escreviam
actores que se desdobravam
cientistas que aprendiam
poetas que estrebuchavam
cantores que não se vendiam
mas enquanto estes lutavam
é certo que não sentiam
a fome com que apertavam
os cintos dos que os ouviam.

Porém cantar é ternura
escrever constrói liberdade
e não há coisa mais pura
do que dizer a verdade.

E uns e outros irmanados
na mesma luta de ideais
ambos sectores explorados
ficaram partes iguais.

Entanto não descansavam
entre pragas e perjúrios
agulhas que se espetavam
silêncios boatos murmúrios
risinhos que se calavam
palácios contra tugúrios
fortunas que levantavam
promessas de maus augúrios
os que em vida se enterravam
por serem falsos e espúrios
maiorais da minoria
que diziam silenciosa
e que em silêncio fazia
a coisa mais horrorosa:
minar como um sinapismo
e com ordenados régios
o alvor do socialismo
e o fim dos privilégios.

Foi então se bem vos lembro
que sucedeu a vindima
quando pisámos Setembro
a verdade veio acima.

E foi um mosto tão forte
que sabia tanto a Abril
que nem o medo da morte
nos fez voltar ao redil.

Ali ficámos de pé
juntos soldados e povo
para mostrarmos como é
que se faz um país novo.

Ali dissemos não passa!
E a reacção não passou.
Quem já viveu a desgraça
odeia a quem desgraçou.

Foi a força do Outono
mais forte que a Primavera
que trouxe os homens sem dono
de que o povo estava à espera.

Foi a força dos mineiros
pescadores e ganhões
operários e carpinteiros
empregados dos balcões
mulheres a dias pedreiros
reformados sem pensões
dactilógrafos carteiros
e outras muitas profissões
que deu o poder cimeiro
a quem não queria patrões.

Desde esse dia em que todos
nós repartimos o pão
é que acabaram os bodos
— cumpriu-se a revolução.

Porém em quintas vivendas
palácios e palacetes
os generais com prebendas
caciques e cacetetes
os que montavam cavalos
para caçarem veados
os que davam dois estalos
na cara dos empregados
os que tinham bons amigos
no consórcio dos sabões
e coçavam os umbigos
como quem coça os galões
os generais subalternos
que aceitavam os patrões
os generais inimigos
os generais garanhões
teciam teias de aranha
e eram mais camaleões
que a lombriga que se amanha
com os próprios cagalhões.
Com generais desta apanha
já não há revoluções.

Por isso o onze de Março
foi um baile de Tartufos
uma alternância de terços
entre ricaços e bufos.

E tivemos de pagar
com o sangue de um soldado
o preço de já não estar
Portugal suicidado.

Fugiram como cobardes
e para terras de Espanha
os que faziam alardes
dos combates em campanha.

E aqui ficaram de pé
capitães de pedra e cal
os homens que na Guiné
aprenderam Portugal.

Os tais homens que sentiram
que um animal racional
opõe àqueles que o firam
consciência nacional.

Os tais homens que souberam
fazer a revolução
porque na guerra entenderam
o que era a libertação.

Os que viram claramente
e com os cinco sentidos
morrer tanta tanta gente
que todos ficaram vivos.

Os tais homens feitos de aço
temperado com a tristeza
que envolveram num abraço
toda a história portuguesa.

Essa história tão bonita
e depois tão maltratada
por quem herdou a desdita
da história colonizada.

Dai ao povo o que é do povo
pois o mar não tem patrões.
– Não havia estado novo
nos poemas de Camões!

Havia sim a lonjura
e uma vela desfraldada
para levar a ternura
à distância imaginada.

Foi este lado da história
que os capitães descobriram
que ficará na memória
das naus que de Abril partiram

das naves que transportaram
o nosso abraço profundo
aos povos que agora deram
novos países ao mundo.

Por saberem como é
ficaram de pedra e cal
capitães que na Guiné
descobriram Portugal.

E em sua pátria fizeram
o que deviam fazer:
ao seu povo devolveram
o que o povo tinha a haver:
Bancos seguros petróleos
que ficarão a render
ao invés dos monopólios
para o trabalho crescer.
Guindastes portos navios
e outras coisas para erguer
antenas centrais e fios
dum país que vai nascer.

Mesmo que seja com frio
é preciso é aquecer
pensar que somos um rio
que vai dar onde quiser

pensar que somos um mar
que nunca mais tem fronteiras
e havemos de navegar
de muitíssimas maneiras.

No Minho com pés de linho
no Alentejo com pão
no Ribatejo com vinho
na Beira com requeijão
e trocando agora as voltas
ao vira da produção
no Alentejo bolotas
no Algarve maçapão
vindimas no Alto Douro
tomates em Azeitão
azeite da cor do ouro
que é verde ao pé do Fundão
e fica amarelo puro
nos campos do Baleizão.
Quando a terra for do povo
o povo deita-lhe a mão!

É isto a reforma agrária
em sua própria expressão:
a maneira mais primária
de que nós temos um quinhão
da semente proletária
da nossa revolução.

Quem a fez era soldado
homem novo capitão
mas também tinha a seu lado
muitos homens na prisão.

De tudo o que Abril abriu
ainda pouco se disse
um menino que sorriu
uma porta que se abrisse
um fruto que se expandiu
um pão que se repartisse
um capitão que seguiu
o que a história lhe predisse
e entre vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo que levantava
sobre um rio de pobreza
a bandeira em que ondulava
a sua própria grandeza!
De tudo o que Abril abriu
ainda pouco se disse
e só nos faltava agora
que este Abril não se cumprisse.
Só nos faltava que os cães
viessem ferrar o dente
na carne dos capitães
que se arriscaram na frente.

Na frente de todos nós
povo soberano e total
que ao mesmo tempo é a voz
e o braço de Portugal.

Ouvi banqueiros fascistas
agiotas do lazer
latifundiários machistas
balofos verbos de encher
e outras coisas em istas
que não cabe dizer aqui
que aos capitães progressistas
o povo deu o poder!
E se esse poder um dia
o quiser roubar alguém
não fica na burguesia
volta à barriga da mãe!
Volta à barriga da terra
que em boa hora o pariu
agora ninguém mais cerra
as portas que Abril abriu!


José Carlos Ary dos Santos
Lisboa, Julho-Agosto de 1975


sexta-feira, 25 de abril de 2014

Going Wodwo

Shedding my shirt, my book, my coat, my life
Leaving them, empty husks and fallen leaves
Going in search of food and for a spring
Of sweet water.

I’ll find a tree as wide as ten fat men
Clear water rilling over its gray roots
Berries I’ll find, and crab apples and nuts,
And call it home.

I’ll tell the wind my name, and no one else.
True madness takes or leaves us in the wood
halfway through all our lives. My skin will be
my face now.

I must be nuts. Sense left with shoes and house,
my guts are cramped. I’ll stumble through the green
back to my roots, and leaves and thorns and buds,
and shiver.

I’ll leave the way of words to walk the wood
I’ll be the forest’s man, and greet the sun,
And feel the silence blossom on my tongue
like language.


"Going Wodwo", Fragile Things, Neil Gaiman

The Book Thief, a guerra pelos olhos da Morte através de uma menina que roubava livros

Escrito pelo australiano Marcus Zusak, The Book Thief (em Portugal: A Rapariga que Roubava Livros), é um livro narrado pela Morte e passa-se durante a Segunda Guerra Mundial na Alemanha nazi, numa altura em que a Morte confessa ter andado muito ocupada. O narrador conta a história de uma menina e as suas relações com os pais adoptivos, os vizinhos, um judeu que os pais escondem na  cave da sua casa durante o pior período da guerra e mostra como era a vida na rua para onde a menina foi viver, com todos os dramas e atrocidades da guerra do ponto de vista da Morte, sobre as pessoas que viviam naquela rua. Publicado em 2005, o livro tornou-se um best-seller, venceu vários prémios literários e foi adaptado ao cinema em 2013.

O Diário de Anne Frank, que li na adolescência, deu-me uma pequena visão de uma das piores épocas da nossa história e cativou-me para me interessar por este período histórico. The Book Thief, levou-me de novo a esta época infeliz e atroz, agora com a Morte a contar a história, que tenta não se interessar muito pelos humanos quando colhe as suas almas, mas que não pode deixar de se interessar pela história de uma rapariga que roubava livros.

Liesel Meminger é uma rapariga de dez anos que vive na Alemanha nazi. A sua mãe, sem posses, decide que os seus filhos devem ser adoptados, mas o irmão de Liesel morre na viagem de comboio para Molching e é nessa altura que a Morte vê Liesel pela primeira vez. É no funeral do irmão que Liesel "rouba" o seu primeiro livro embora não o consiga ler.

Liesel chega à rua Himmel onde conhece o seu novo "papa" e a sua nova "mama", Hans e Rosa Hubermann. O pai ensina-a a ler, criando uma ligação imediata entre eles e aos poucos Liesel ganha o amor de Rosa também. Liesel é apresentada à vida da sua nova rua e conhece Rudy Steiner que se tornará o seu melhor amigo.

Aos poucos conhecemos as histórias de várias pessoas que vivem naquela rua e acompanhamos a forma como a guerra vai afectando as suas vidas. Liesel vai continuando a roubar alguns livros, aprende a conhecer as palavras e faz vários amigos. Hans decide esconder um judeu na sua  cave, Max Vandenburg, porque o pai dele tinha salvo a sua vida durante a Primeira Guerra Mundial, cimentando posteriormente uma grande amizade entre Max e a sua família de acolhimento. Max decide escrever uma história para Liesel nas folhas pintadas de um exemplar do Mein Kampf. A história, "The Word Shaker", é uma metáfora em forma de fábula sobre o poder e a forma como Hitler usa as palavras para alimentar a guerra. Mais tarde também vemos o poder das palavras quando Liesel lê para acalmar as pessoas durante os bombardeamentos e a forma como a leitura consola a Frau Holtzapfel.

Conforme o tempo passa e a guerra provoca cada vez mais pobreza, Rosa vai perdendo os seus clientes a quem lavava a roupa. Quando a sua última cliente, a mulher do Mayor, deixa de mandar lavar a roupa, Liesel fica furiosa e com a ajuda de Rudy decide roubar livros da casa do Mayor.

Ao longo da história acompanhamos várias tragédias de algumas personagens. Ilsa Hermann, a mulher do Mayor, perdeu o seu filho na Rússia e percebemos como essa perda afectou a sua vida. Frau Holtzapfel, que inicialmente é detestada por Rosa porque cospe para a sua porta, acaba por pedir a Liesel que lhe leia em troca de café e perde os seus dois filhos para a guerra. Rudy e a sua família, os Steiner. Não só conhecemos os "feitos" de Rudy como o habitante mais "famoso" daquela rua, como sabemos que teve de se juntar à juventude Hitelariana e que ganhou três medalhas nos campeonatos desportivos da escola. Rudy acompanha Liesel nas suas aventuras e, rebelde por natureza, acaba quase sempre por se meter me trabalhos. Está sempre a pedir que Liesel o beije, mas quando a rua é bombardeada e Liesel lhe tenta dar um beijo, Rudy já está morto.

O ponto alto e mais triste da história acontece quando um grupo de judeus passa pela Himmel Street e Liesel vê Max entre os judeus que estão a ser levados para um campo de concentração em Munique e decide caminhar ao seu lado, acabando ambos por serem espancados por um soldado nazi. É por esta altura que Liesel decide confidenciar a Rudy que ela e a família esconderam Max na cave e mostra-lhe o desenho dele com as três medalhas que tinha ganho.

É ainda notável a bondade de Hans Hubermann ao longo da história, desde o amor que ganha por Liesel, o que sempre notriu pela mulher, a sua compaixão pelos judeus, principalmente por Max, ou a forma como tenta sempre ajudar quem pode. Hans tem dificuldade em ganhar dinheiro para sustentar a família, apesar de tocar acordeão (que representa a divida para com Erik, o pai de Max que lhe salvou a vida na Primeira Guerra Mundial), para além disso nunca mostrou simpatia pelo partido nazi e acaba por ser envidao para a guerra. Volta da guerra com uma perna partida. A sua bondade também é vista quando os judeus passam pela rua e Hans tenta dar pão a um deles mesmo sabendo que vai ser castigado por isso.

Já na parte final, Ilsa oferece um pequeno livro preto a Liesel e diz-lhe que ela devia escrever a sua própria história. Na cave, Liesel começa e escrever "The Book Thief". Pouco tempo depois a rua Himmel é completamente bombardeada sem aviso (até esta altura tinha havido sempre avisos). Todos os que Leisel amava morrem no ataque. No final da guerra, Max regressa para encontrar Liesel na loja dos Steiner. No epílogo sabemos que Liesel viveu muitos anos e construiu família na Austrália e, quando a Morte vai buscar a sua alma, devolve-lhe o livro negro com a sua história que ela tinha deixado cair quando era adolescente.

O livro lê-se rápido, a história é triste, mas cativante e dá-nos um ponto de vista da guerra bastante diferente das histórias a que estamos habituados por ser do ponto de vista dos alemães, mostrando o dualismo da guerra na Alemanha nazi. É um óptimo exemplo de livro para adolescentes para conhecerem um pouco mais sobre um dos piores momentos da nossa história. Este retrato sobre a Segunda Guerra Mundial mostra uma narradora, a Morte (principal motivo que me levou a ler o livro), que é quase filosófica; aborda temas como a amizade e a coragem, a humanidade e a tolerância e principalmente a crueldade, passando pela literacia e a importância dos livros e da literatura no meio da guerra, da morte e do holocausto. É incrivelmente comovedor.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

BSFA Awards

Vencedores 2013


A British Science Fiction Association anunciou os vencedores do seu BSFA Awards anual, no  Satellite EasterCon em Glasgow, na Escócia.

Os BSFA são patrocinados pela British Science Fiction Association e seleccionados a partir dos títulos mais populares seleccionados por membros da BSFA. A esses votos juntam-se os participantes da Eastecon que votam nos vencedores.

Abaixo, ficam os vencedores:

Best Novel
Vencedor: Ancillary Justice, Ann Leckie (Orbit)
Vencedor: Ack-Ack Macaque, Gareth L. Powell (Solaris)
God’s War, Kameron Hurley (Del Rey)
Evening's Empires, Paul McAuley (Gollancz)
The Adjacent, Christopher Priest (Gollancz)

Best Short Fiction
Vencedor: “Spin”, Nina Allan (TTA Press)
“Selkie Stories are for Losers”, Sofia Samatar (Strange Horizons)
“Saga’s Children”, E.J. Swift (The Lowest Heaven, Pandemonium)
“Boat in the Shadows Crossing”, Tori Truslow (Beneath Ceaseless Skies)

Best Artwork
Vencedor: Melhor Capa por Dream London, Joey Hi-fi (Solaris)
Poster por Metropolis, Kevin Tong (tragicsunshine.com)
Ilustração Editorial por “The Angel at the Heart of the Rain”, Richard Wagner (Interzone)

Best Non-Fiction
Vencedor: Wonderbook, Jeff VanderMeer (Abrams Image)
Going Forth by Night, John J. Johnston (Unearthed, Jurassic)
Sleeps with Monsters, Liz Bourke (Tor.com)

Mais Informações: BSFA Awards

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Dia Mundial do Livro

A 23 de Abril celebra-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor. A data tem como objetivo reconhecer a importância e utilidade dos livros, assim como incentivar hábitos de leitura na população.

Os livros são um importante meio de transmissão de cultura e informação, e elemento fundamental no processo educativo. É importante chamar a atenção para a importância do livro como bem cultural que é essencial para o desenvolvimento da literacia.

No Dia Mundial do Livro decorrem várias ações de promoção dos livros e da leitura, organizados por livrarias, associações culturais, escolas, universidades e outras entidades.

A UNESCO instituiu o Dia Mundial do Livro em 1995. Esta data foi escolhida para honrar a velha tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de São Jorge e recebem em troca, um livro.

É também um dia importante para a literatura mundial, uma vez que foi a 23 de Abril de 1616 que faleceu Miguel de Cervantes e a 23 de Abril de 1899 nasceu Vladimir Nabokov.

O dia 23 de Abril é ainda recordado como o dia em que nasceu e morreu o escritor inglês William Shakespeare.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Philip K. Dick Award

Vencedor 2014

Countdown City, de Ben H. Winters (Quirk Books) venceu o Philip K. Dick Award  a 18 de Abril. O prémio foi anunciado na Norwescon 37 em Washington.
Self-Reference Engine, de Toh EnJoe, traduzido por Terry Gallagher (Haikasoru) recebeu uma menção honrosa.
O prémio Philip K. Dick é atribuído anualmente com o apoio do Philip K. Dick Trust e distingue um livro de ficção científica original publicado pela primeira no ano anterior nos E.U.A.



 Philip K. Dick Award

Benfica Campeão!

Há anos que sou fã de futebol, desde uma certa final entre o Brasil e a Itália num Mundial de Futebol e a minha equipa do coração é o Benfica (coisa de família, claro!). Este Domingo de Páscoa, o Benfica venceu o 33º campeonado num dia bastante especial para mim. Desta forma, quero partilhar aqui a felicidade da minha equipa ter vencido mais um campeonato e toda a festa que teve lugar no Marquês de Pombal, onde um mar de gente festejou e até houve fogo de artifício, foi espectacular! Só há uma equipa que move tanta gente: Benfica!!! O dia e noite foram vermelhos! Abaixo, ficam algumas imagens da noite.








sábado, 19 de abril de 2014

Malas

O Prazer da Leitura (19)

“How about a kiss, Saumensch?"

He stood waist-deep in the water for a few moments longer before climbing out and handing her the book. His pants clung to him, and he did not stop walking. In truth, I think he was afraid. Rudy Steiner was scared of the book thief's kiss. He must have longed for it so much. He must have loved her so incredibly hard. So hard that he would never ask for her lips again and would go to his grave without them.

The Book Thief, Marcus Zusak

Páscoa

Já há algum tempo que a minha mãe não faz folares e que eu não a ajudo da fazê-los e, apesar de eu não dar importância à Páscoa, sempre gostei bastante dos folares da minha mãe, que são típicos da parte do Alentejo de onde sou. Também gosto de um folar algarvio específico, mas a imagem abaixo faz-me lembrar os da minha mãe e o facto de eu ajudar sempre a colocar os ovos e de enfeitar a parte de cima. Para quem gosta desta época e dos doces a ela associados, Boa Páscoa!

quinta-feira, 17 de abril de 2014

X-Men: Days of Future Past

Cinema Fantástico

Bom, não é que eu pense que esta vá ser o filme do ano, mas pelo trailer final de X-Men: Days of Future Past, quero ir ver isto ao cinema! Principalmente pelo elenco que é absolutamente epectacular! 

Depois de já ter mencionado o facto de terem estragado a personagem da Anna Paquin (Rogue), parece que depois terem dito que ela não ia aparecer no filme, afinal sempre não cortaram as suas cenas. 

De acordo com este trailer e os anteriores vamos ter muita acção; alguns momentos de tensão mais dramáticos com o lado mais sombrio de Charles Xavier quando era mais jovem; algum humor e revelações da parte de Wolverine; Magneto a levantar um estádio (only shit!, depois de mover a Golden Gate, agora tinha de ser algo mais "pesado"); Peter Dinklage como Bolivar Trask, que parece ser o grande vilão para além das Sentinelas; e vamos ter o Beast e o Gambit no passado num assalto à prisão mais bem guardada da altura para tirar de lá Erik Lehnsherr. 

Há tanta coisa a acontecer que espero que não passe tudo demasiado rápido e haja algum tempo para mostrar bem as várias personagens. Espero também um início bem negro que  mostre toda a destruição causada pelas sentinelas.

O filme estreia em Maio, que vai ser um mês de grandes estreias com vários filmes bons para ver. Não sei se a minha carteira aguenta!

Imagens de uma Lisboa Antiga




Penny Dreadful

Séries Fantásticas


Penny Dreadful (Showtime)
Com: Josh Hartnett (Ethan Chandler), Eva Green (Vanessa Ives), Billie Piper (Bona Croft), Rory Kinnear (Frankenstein's Monster), Timothy Dalton (Sir Malcolm), Reeve Carney (Dorian Gray), Harry Treadaway (Victor Frankenstein), Helen McCrory (Madam Kali), Simon Russell Beale (Ferdinand Lyle), Danny Sapani (Sembene), Anna Chancellor (Claire Ives), Olivia Llewellyn (Mina Harker). 
Estreia: 11 de Maio nos E.U.A.


A Showtime aposta numa série de horror criada por John Logan e produzida por Logan e Sam Mendes. A nova série de terror com sobrenatural à mistura, junta algumas das personagens mais icónicas e aterradoras da literatura, como o Dr. Frankenstein (Frankenstein de Mary Shelley, 1818), Dorian Gray (The Picture of Dorian Gray, de Oscar Wilde, 1890) e o algumas personagens de Dracula (de Bram Stoker, 1897), em Londres na época Vitoriana. As suas histórias aterradoras juntam-se às dos protagonistas deste thriller psicológico construindo este novo drama.

O elenco é muito bom (excepto a Billie Piper!), o trailer é extremamente cativante (espero não me desiludir) e a Showtime criou um blogue sobre a série com vídeos dos actores e da produção. Em Portugal, a série estreia a 25 de Maio no canal pago TV Séries da TV Cabo (esta treta de canal pago apanha tanta série boa, é uma pena! - Fox, AXN e SyFy, que andam estes canais a fazer, quando se precisa deles?). Abaixo, fica o trailer promocional.
Mais Informações: Blog Penny Dreadful

quarta-feira, 16 de abril de 2014

The Hidden Chamber

Do not fear the ghosts in this house;
they are the least of your worries.
Personally I find the noises they make reassuring.
The creaks and footsteps in the night,
their little tricks of hiding things, or moving them,
I find endearing, not upsettling.
It makes the place feel so much more like home.
Inhabited.

Apart from ghosts, nothing lives here for long.
No cats, no mice, no flies, no dreams, no bats.
Two days ago I saw a butterfly, a monarch I believe,
which danced from room to room
and perched on walls and waited near to me.
There are no flowers in this empty place,
and, scared the butterfly would starve,
I forced a window wide,
cupped my hands around her fluttering self,
feeling her wings kiss my palms so gentle,
and put her out, and watched her fly away.

I’ve little patience with seasons here,
but your arrival eased this winter’s chill.
Please, wander round.
Explore it all you wish.
I’ve broken with tradition on some points.
If there is one locked room here,
you’ll never know.
You’ll not find in the cellar’s fireplace old bones or hair.
You’ll find no blood.
Regard: just tools, a washing machine, a drier,
a water-heater, and a chain of keys.
Nothing that can alarm you.
Nothing dark.

I may be grim, perhaps, but only just as grim
as any man who suffered such affairs.
Misfortune, carelessness or pain, what matters is the loss.
You’ll see the heartbreak linger in my eyes,
and dream of making me forget what came
before you walked into the hallway of this house.
Bringing a little summer in your glance,
and with your smile.

While you are here, of course you will hear the ghosts,
always a room away,
and you may wake beside me in the night,
knowing that there’s a space without a door,
knowing that there’s a place that’s locked but isn’t there.
Hearing them scuffle, echo, thump and pound.

If you are wise you’ll run into the night,
fluttering away into the cold,
wearing perhaps the laciest of shifts.
The lane’s hard flints will cut your feet all bloody as you run,
so, if I wished, I could just follow you,
tasting the blood and oceans of your tears.
I’ll wait instead, here in my private place,
and soon I’ll put a candle in the window, love,
to light your way back home.

The world flutters like insects.
I think this is how I shall remember you,
my head between the white swell of your breasts,
listening to the chambers of your heart.

"The Hidden Chamber", Fragile Things, de Neil Gaiman

terça-feira, 15 de abril de 2014

The Rains of Castamere

Sigur Rós

Depois da versão dos The National, a música "The Rains of Castamere" volta a ser interpretada para a série Game of Thrones (quarta temporada), agora pela banda islandesa Sigur Rós. A música foi retirada dos livros A Song of Ice and Fire, onde é cantada e mencionada várias vezes. Na série, a música passou no episódio "Blackwater" (escrito pelo próprio George R. R. Martin) da segunda temporada. O episódio "The Lion and the Rose" passa hoje no canal SyFy. Este segundo episódio da quarta temporada da série tem gerado muitos comentários de felicidade na Internet. Abaixo, fica a nova versão.


The Rains of Castamere

And who are you, the proud lord said
That I must bow so low?
Only a cat of a different coat
That’s all the truth I know

In a coat of gold or a coat of red
A lion still has claws
And mine are long and sharp, my lord
As long and sharp as yours

And so he spoke, and so he spoke
That lord of castamere
But now the rains weep o’er his hall
With no one there to hearYes now the rains weep o’er his hall
And not a soul to hear

Imaginando FC (9)

West Coast

Lana Del Rey

"West Coast"  é a nova música de Lana Del Rey, o primeiro single do segundo álbum da cantora, Ultraviolence, que sairá a 1 de Maio. 
O álbum foi produzido por Dan Auerbach dos The Black Keys e a música foi escrita por Rick Nowels, que já escreveu canções para vários artistas. 
O novo álbum sucede ao seu primeiro, Born to Die (2012), é lançado pela Polydor Records e estará disponível para download a partir de 18 de Maio.
Abaixo, fica o video clip de "West Coast".


West Coast
 
Down on the West Coast, they got a saying
If you're not drinking, then you're not playing
But you've got the music, you've got the music in you, don't you?
Down on the West Coast, I get this feeling like it all could happen
That's why I'm leaving you for the moment, you for the moment
Boy blue, yeah you
It's getting harder to show it
I'm feeling hot to the touch
You say you miss me
And I always say I miss you so much
But something keeps me really quiet
I’m alive, I’m a lush
Your love, your love, your love

I can see my baby swinging
His parliament is on fire when his hands are up
On the balcony and I'm singing
Ooh baby, ooh baby, I'm in love
I can see my sweet boy swinging
He's crazy and Cubano como yo my love
On the balcony and I'm singing
Move baby, move baby, I’m in love
I’m in love
I’m in love

Down on the west coast, they got their icons
Their silver starlets, their queens of Saigon
And you got the music, you got the music in you, don't you?
Down on the west coast, they love their movies
Their golden cars and rock-n-roll groupies
And you got the music, you got the music in you, don't you?
You push me harder for the way
I’m feeling hotter than fire
I guess I know and how to be and make it feel I’m a child
Didn’t say you gotta know, boy it's you I desire
Your love, your love, your love

I can see my baby swinging
His parliament is on fire when his hands are up
On the balcony and I'm singing
Move baby, move baby, I’m in love
I can see my baby swinging
His parliament is on fire when his hands are up
On the balcony and I'm singing
Ooh baby, ooh baby, I'm in love
I can see my sweet boy swinging
He's crazy and Cubano como yo my love
On the balcony and I'm singing
Move baby, move baby, I’m in love
I’m in love
I’m in love